Le Monde | No Brasil, Curitiba, ex- cidade modelo na América Latina, está lutando para se reinventar

“Este é o fim de um mito”. Essa é a primeira frase de uma reportagem do jornal francês Le Monde sobre a imagem de que Curitiba é uma cidade modelo. O jornalista Thomas Badia Diego ouviu estudiosos da história de Curitiba e dos problemas sociais, ecológicos e urbanos que a capital paranaense não está conseguindo enfrentar.

O jornal ressalta que as obras e reformas de mobilidade se mostram insuficientes e classifica o nosso crescimento urbano como “anárquico”. O monopólio das empresas do transporte público é citado, pelos entrevistados, como um dos principais fatores que degradam a mobilidade urbana na cidade.

A tradução não é oficial, mas permite a compreensão. Caso queira ver a versão em francês, clique aqui. 

___________________________________________________

No Brasil, Curitiba, ex- cidade modelo na América Latina, está lutando para se reinventar

3103-lemondeDe Thomas Badia Diego, Le Monde

Este é o fim de um mito. Há muito considerado como uma cidade modelo na América Latina, por suas inovações no transporte urbano e ecologia, Curitiba, localizado a 400 quilômetros ao sul de São Paulo, no estado do Paraná, é capturado pelos mesmos problemas que grandes cidades brasileiras: crescimento populacional e expansão urbana, muitas vezes anárquica. Entre 1970 e 2013, a sua população quase triplicou de 650.000-1.850.000 habitantes. Curitiba está congestionada, poluída e socialmente desequilibrada, como São Paulo (11,8 milhões de habitantes) e Rio de Janeiro (6,5 milhões de habitantes), mas muito maiores cidades. Ao sul da cidade, nos bairros de Xaxim, Pinheirinho, Boqueirão e Cidade Industrial, que juntos respondem por apenas cerca de 400.000 pessoas, habitações ilegais apareceram no início de 1980 e proliferaram, criando bolsões de pobreza que persistem.

Na década de 1970, o prefeito Jaime Lerner de Curitiba quis fazer uma “cidade em uma escala humana”, um ponto de encontro entre as pessoas pode se mover sem um carro de um lugar para outro. Em seguida, ele enfrentou a relutância de comerciantes que fazem o centro pedestre rua principal de Curitiba, rua XV de Novembro e criação de espaços verdes. “Mas os interesses privados sempre foram favorecidos em detrimento dos interesses públicos , o que levou à situação atual”, diz Dennison de Oliveira, historiador e autor do livro Curitiba 2000 e o mito da cidade modelo (Editora UFPR).

Última grande inovação da cidade, a modernização da BR-116, que corta Curitiba dois rodovia em 1980. Ela é regularmente criticada pelos engarrafamentos que se formam diariamente nos horários de pico, mas também por causa da falta de passarelas para atravessar. Esta estrada criou uma divisão entre o norte área urbana infra-estrutura favorecida (parques, ônibus, lazer) e uma zona sul isolado na grande maioria pobre, abandonado pelo governo.

Um sistema de transporte como saturado

A rede de ônibus da cidade, projetado para ser rápido e amigo do ambiente, uma vez obrigado a admiração a ser imitado em outros lugares no Brasil e no exterior. Ele agora está saturado e inadequado para o número crescente de passageiros. “Inicialmente, o sistema de transporte foi eficiente, mas logo entrou em colapso sob o número de passageiros. Mesmo os corredores de ônibus estão congestionadas em horários de pico, como na Avenida 7 de Setembro”, diz Lafaiete Neves, professor de Economia da UFPR e especialista em transporte público. Das 17 horas, os biarticulados, ônibus 28 metros, com capacidade para 250 pessoas, encontram-se pára-choque contra pára-choque , e não o caracol no eixo principal da cidade .

A principal causa desta degradação é, na opinião de observadores, o quase monopólio das empresas de transporte principais em comum: eles são de propriedade de três famílias cuja influência política é grande. Esse monopólio existe desde a criação da rede, mas hoje ele impede o desenvolvimento de modos de transporte alternativos, como a construção do metrô ou instalação de ciclovias, raro na cidade e em mau estado. No entanto, “a cidade de Curitiba com uma dimensão internacional, deve combinar esses diferentes tipos de transporte para enfrentar os desafios da mobilidade urbana”, disse M. de Oliveira, entre outros.

Em todas as grandes cidades do país, milhares de brasileiros demonstraram em junho de 2013 pedindo uma redução nas tarifas de transportes públicos. Em Curitiba, o preço de uma passagem de ônibus aumentou para R$ 2,85. Mas permanece entre as mais altas do país e é considerada abusiva e impedimento para os mais pobres, incluindo o “Passe Livre”. As estações tubo, pontos de ônibus, uma vez elogiado por seu respeito ao meio ambiente, são criticados por sua estreiteza e falta de ar condicionado durante a onda de calor. As filas intermináveis nos horários de pico, os preços dos bilhetes e os engarrafamentos empurram as pessoas a optar pelo carro, ainda mais complicado uma poluição sufocante cidade. Resultado: Curitiba é uma cidade brasileira com o maior número de carros por habitante, ou 1,3 em média. E a tendência não está em declínio.

Problemas de insegurança e de saúde

Outras infra-estruturas pobres incluem o sistema de canalização e saneamento. Porque é inadequado e mal conservados formam verdadeiros esgotos a céu aberto em algumas áreas ao sul da cidade, os mais desfavorecidos. Todos os dias, toneladas de resíduos acabam nas águas do Rio Belém. O rio, que atravessa a favela da Vila Torres, exala um mau cheiro do qual os moradores se queixam. Esta poluição coloca sérios problemas de saúde pública, tanto assim que a tuberculose ressurgiu na região. O Aterro do Caximba grande lixão da cidade localizada em um dos bairros mais pobres , mas também veio a saturação. “Não há mais espaço para armazenar os resíduos em Curitiba”, suspira o Sr. De Oliveira.

A imagem do sábio Curitiba também viveu. A capital do Paraná permanece cidades que oferece a melhor qualidade de vida no Brasil, mas ele vem em 39º no ranking das cidades mais violentas do mundo realizado pela ONG mexicana Conselho Cidadão para a Segurança Pública e Justiça Criminal. De acordo com o estudo publicado em 2012, a taxa de homicídios na cidade é de 38,09 assassinatos por 100 000 habitantes. Nos distritos de Pinheirinho e Cidade Industrial particularmente afetados pela insegurança, ruas, muitas vezes, mal iluminadas, completamente esvaziadas após o anoitecer. Em um fim de semana recente, 11 homicídios ocorreram em Curitiba, principalmente baleado.

Estas dificuldades, juntamente com as redes de corrupção pairar como uma sombra ao longo dos quatro jogos da Copa do Mundo da Fifa, no verão de 2014. Tentou mover os jogos para outra cidade por causa de atrasos na construção do estádio, a Fifa finalmente confirmou que Curitiba seria a cidade anfitriã.

O historiador Dennison de Oliveira acredita que “os líderes estão começando a perceber que as pessoas querem ter um papel na política local”. Mas o caminho é longo para a cidade recuperou sua reputação do passado.

Um comentário sobre “Le Monde | No Brasil, Curitiba, ex- cidade modelo na América Latina, está lutando para se reinventar

  1. Lerner sempre criou a peste para vender depois a vacina. Precisava vender Curitiba? Podia ter feito metrô? Quase 2 milhões de habitantes??? Para ter mais verbas…são tantos detalhes…mudar curso de manancial para instalar a Renalt…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 + 2 =